O pesadelo da casa própria

Ter a casa própria talvez seja o sonho da maioria dos brasileiros, mas cuidado para que esse sonho não se transforme em um pesadelo fora de controle!

O pesadelo da casa própria

Assim como no post de semana passada, Venda o seu carro!, o nosso objetivo aqui é identificar os maiores vilões do orçamento. Para investir é preciso poupar, e nós vamos te ajudar com isso!

Você sabia que o brasileiro gasta cerca de 30% de sua renda com moradia? Ah! Não falei no outro post, mas outros 15% “vão embora” com as despesas do seu carro. Muita coisa, não é? Estou considerando que tanto o imóvel quanto o carro foram financiados e você está pagando juros.

Vou apresentar aqui para vocês questões importantes que justificam nossa posição de que financeiramente não compensa ter a casa própria, e que é muito melhor morar de aluguel.

Preparados?

O pesadelo da casa própria!

Geralmente, quando decidimos sair da casa de nossos pais, por motivo de casamento ou outro qualquer, não possuímos recursos suficientes para comprar um imóvel. Então, é muito comum pessoas que estão iniciando essa nova fase da vida recorrerem a financiamentos imobiliários, que podem se arrastar por 10, 20, 30 anos.

Serão décadas de orçamente apertado pagando juros de um financiamento que parece não ter fim. Financiamentos fazem o imóvel custar 2 ou até 3 vezes mais do que custaria à vista.

Comprar um imóvel, então, significa decidir onde morar pelas próximas décadas. Essa limitação territorial, e financeira, pode inviabilizar novas oportunidades de emprego, estudos, lazer… Se não sabemos do nosso futuro, por que “fincar raízes” e ficar “preso” a um lugar?

More de aluguel!

Morar de aluguel pode ter um papel estratégico e fundamental na construção da independência financeira. Por que pagar juros de financiamento se você pode RECEBER juros investindo o seu dinheiro?

Quando iniciamos a vida em um novo imóvel, morando de aluguel, podemos ajustar nossas necessidades ao orçamento. Que tal morar perto do trabalho e não gastar com transporte? Que tal aceitar aquela proposta de emprego naquele outro bairro, cidade ou, até, país?

Do mesmo modo, podemos também adequar nossa necessidade de espaço físico. Imóvel menor, e mais barato, para aqueles querem morar sozinho, recém casados ou não tem filhos. Imóvel um pouco maior para a chegada dos filhos, netos, visitas…

Em síntese, morar de aluguel é mais barato, te proporciona inúmeras oportunidades e te liberta para conhecer e seguir novos caminhos.

Viver é se ajustar às mudanças.

Gustavo Cerbasi

Liberte-se.

Pergunta pra gente!