O Ibovespa e as epidemias

Estamos passando por mais uma instabilidade a nível global que tem deixado o nosso Bobô muito nervoso e apreensivo. Em 2019 ele passou por fortes emoções com a novela do acordo comercial entre China e Eua que, a princípio, “terminou” com um final feliz.

imagem dos efeitos do corona virus

Entramos em 2020 felizes e otimistas, certos de que nada poderia impedir o crescimento do Bobô, o Ibovespa. Mas, como a vida é uma caixinha de surpresas, o inesperado aconteceu: o Bobô adoeceu.

Em uma viagem para a China, um de seus países preferidos, após um forte espirro asiático, foi infectado com o Coronavírus. Agora está enfermo, acamado e tem deixando os investidores preocupados.

O Ibovespa e as Epidemias

Não é a primeira vez que epidemias ao redor do mundo adoecem o mercado financeiro mundial. Aliás, pra ser bem sincero, numa visão até agora, as outras enfermidades foram muito mais graves!

Entre novembro de 2002 a junho de 2003 tivemos um surto da Síndrome Respiratória Aguda Grave – SARS, que também teve início na China e em Hong Kong. A epidemia matou 774 pessoas e infectou mais de 8 mil.

Neste período o Ibovespa valorizou mais de 24%!

Em abril de 2009 foi a vez da Gripe Suína, ou H1N1. Segundo a Organização Mundial de Saúde – OMS, mais de 18,5 mil pessoas foram mortas por conta da gripe.

Da mesma forma, neste período o Ibovespa valorizou mais de 45%!

Ibovespa Antifrágil

Enfim, minha intenção aqui não é menosprezar ou descredibilizar os possíveis efeitos do Coronavírus na nossa economia. Afinal, ainda não sabemos até onde ele pode chegar e quais serão suas reais consequencias.

Vim mostrar para vocês a relação entre o ibovespa e as epidemias, trazer fatos e dados que comprovam a antifragilizade do nosso Ibovespa no longo prazo!

Pessoas bem-sucedidas têm duvidas e preocupações. Elas só não deixam esses sentimentos dominarem sua vida

T. Harv Eker

#2020bobô130mil

Pergunta pra gente!